Seu navegador não suporta ou está com o JavaScript desabilitado, por conta disso, pode ocorrer falhas nesse site.

Pix traz facilidade e agilidade em pagamentos no comércio

12/02/2021

Desde novembro, quando o Banco Central disponibilizou o Pix, sistema de pagamentos instantâneos, mais de 106 milhões de chaves já foram cadastradas e a nova ferramenta já representa de 5% a 10% do faturamento de clientes que pagam pela internet.

O Pix pode ser usado por qualquer pessoa com conta bancária, corrente ou poupança, e celular com acesso à internet. Para realizar as transações o usuário deve cadastrar a sua chave, que é o seu identificador da transação, e tanto pode ser o número de CPF, do celular ou e-mail. Pessoas físicas podem ter até cinco chaves e jurídicas até 20.

A facilidade do uso da ferramenta e a gratuidade, no caso de pessoas físicas ( de CPF para CPF), vêm estimulando cada vez mais a adesão, inclusive nos estabelecimentos comerciais. Segundo divulgado pelo Mercado Pago, fintech de pagamentos do Mercado Livre, o Pix tem sido usado principalmente para transferências entre contas, em substituição ao TED e ao DOC.

“Esta é uma ferramenta muito prática e percebemos que os consumidores estão aderindo cada vez mais à sua utilização”, afirma o presidente da Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí. “É importante que o comerciante acompanhe esta tendência e comece a oferecer o Pix como mais uma forma de pagamento. Funciona 24 horas e cai na conta na mesma hora.”

A empresária Renata Galli, da Farmácia Art Med, implantou o Pix como opção de pagamento tão logo foi disponibilizado e só tem elogios à praticidade e agilidade da ferramenta. “Os clientes estão amando! A pessoa faz o pedido pelo whatsApp, informamos a nossa chave, ela paga e depois só vem retirar o medicamento, sem ter nenhum contato com dinheiro ou cartão”, diz. “Antes alguns reclamavam de pagar a tarifa cobrada nas transferências feitas entre agências diferentes, agora é bem melhor.”

Como usar o Pix

Para usar o PIX é preciso acessar o aplicativo ou site do banco onde o usuário já tem conta e está acostumado a navegar. Cada instituição tem uma área dedicada ao Pix, basta clicar ali e seguir o processo solicitado. Na hora do cadastro é importante lembrar que esta chave será repassada a outras pessoas na hora da transferência.

Para pessoas físicas o sistema é gratuito. Empresas e microempreendedores individuais (MEI) estão sujeitos às taxas conforme definição do banco do cliente. O Pix não é aplicativo e sim mais uma possibilidade de transação incluída no local onde o usuário já está acostumado a navegar, como o internet banking ou app do banco em que ele conta. Segundo o Banco Central, as informações pessoais trafegadas nas transações Pix, assim como nas transações de TED e DOC, estão protegidas pelo sigilo bancário, conforme as disposições da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *