Seu navegador não suporta ou está com o JavaScript desabilitado, por conta disso, pode ocorrer falhas nesse site.

Pequenos investem em venda online para tentar driblar a crise

14/05/2020

A pandemia do coronavírus alterou as relações humanas assim como o comportamento de compra dos consumidores. Isoladas em suas casas, as pessoas estão buscando novas alternativas e as compras online fazem cada vez mais parte de suas vidas.

Considerando o fechamento dos estabelecimentos comerciais que impede o atendimento presencial, a venda online, seja pelo e-commerce ou por aplicativos, tem se mostrado uma opção para o pequeno empreendedor driblar a crise.

O consultor da Hinode, Julyann Alves Machado, já usava seu site para divulgar produtos e vendia pelas redes sociais. Com a crise do coronavírus reforçou o uso de aplicativos e a entrega por delivery. “Sempre usei estas ferramentas porque sei que a tecnologia é o futuro”, diz. “Neste período, como trabalho com produtos de primeira necessidade, tive um crescimento exponencial em relação ao mesmo período do ano passado.”

Antes da suspensão do atendimento presencial, a empresária Patrícia Aquino, da Empadinha Caseira, até recebia alguns pedidos pelo Facebook e Instagram mas o forte de seu faturamento sempre foi o balcão. Com o isolamento social, precisou se adequar à nova realidade e passou a vender pelo whatsApp, o que  reduziu o seu prejuízo de 90% para 70%. “Posso dizer que este tipo de venda me ajudou muito. Nas duas primeiras semanas de crise foi fundamental.”

O varejista João Menandro, da loja de roupas Aluart Brasil, intensificou as vendas online por aplicativo e redes sociais mas ainda não viu os resultados positivos, até por conta dos produtos que trabalha. “Nosso segmento é considerado supérfluo”, diz.

Paralelamente às vendas online, ele aproveita este período de portas fechadas para se dedicar ao projeto do ecommerce da sua loja, que já vinha desenvolvendo antes da crise. “A implantação é um processo complexo e demorado mas esta é uma necessidade do mercado atual.”

Números

As vendas online de produtos físicos tiveram um aumento de 47% em abril, segundo dados da Abcomm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico). Em estudo realizado foram analisados mais de 45 milhões de pedidos feitos em quatro mil lojas virtuais entre 1º de março e 25 de abril de 2020. Na pesquisa não foram considerados serviços como viagens e turismo ou aplicativos de entrega, o que pode aumentar o número.

Em Jundiaí não há dados em relação a este tipo de venda mas a Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí acredita que será uma tendência cada vez mais forte, mesmo no pós-pandemia, e os empreendedores serão  forçados a se ajustarem à nova realidade.

Segundo o presidente, Mark William Ormenese Monteiro, para os pequenos é mais difícil esta adaptação ao novo cenário e as vendas online ainda não são suficientes para compensar as quedas das lojas físicas.  “Alguns estão se beneficiando de vendas pelo whatsApp, que tem se mostrado uma boa alternativa para reduzir perdas. Mas ainda nem todos conseguem fazer este tipo de venda, seja pelo produto que oferecem ou pela dificuldade com o digital, porém, mais do que nunca, precisam de um esforço rápido para estarem inseridos neste meio online.”

Para inserir cada vez mais o empreendedor neste universo digital a ACE tem investido em conteúdos e cursos da Escola de Negócios que trazem dicas para serem aplicadas nas empresas. “A adaptação para o mundo digital será cada vez mais necessária porque os desafios para vender serão muito maiores no pós-pandemia e na nova normalidade os negócios não serão mais os mesmos”, diz ele.

A professora da Escola de Negócios da ACE Jundiaí, Neila Cristina Franco, concorda com Mark e afirma que a aceleração para o modelo de negócio digital, ocasionada pela quarentena, é definitiva. Ela observa que neste tipo de venda é preciso seguir alguns processos para garantir o bom atendimento  e a satisfação do cliente. “Na loja física os sinais de satisfação são evidentes. No digital é preciso controlar os aspectos de satisfação por meio de indicadores”, explica.  “Neste caso, ferramentas e suporte eficientes são necessários para acompanhar e satisfazer antigos e novos consumidores em modelos de negócio cada vez mais ágeis.”

Neila vai abordar este tema no curso Centrais de Atendimento ao Cliente e TI – Indicadores de Resultados que dará na Escola de Negócios da ACE nos dias 25, 26, 27 e 28 de maio. Informações: https://www.acejundiai.com.br/curso-centrais-de-atendimento/

 

Foto: Divulgação/Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *