Seu navegador não suporta ou está com o JavaScript desabilitado, por conta disso, pode ocorrer falhas nesse site.

Vendas no comércio cresceram 7 % em Jundiaí

08/03/2018

O volume de vendas do comércio paulista subiu 2,5% em 2017 em comparação com o ano anterior. Jundiaí teve a maior taxa de expansão, com 7,1% de aumento, segundo dados da pesquisa ACVarejo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).  Os números são do varejo ampliado, que inclui concessionárias de veículos e lojas de material de construção. Já no restrito ― que não computa esses dois ramos ―, o crescimento foi de 1,8% no Estado.

Quase todas as atividades econômicas analisadas pela pesquisa apresentaram crescimento do volume comercializado em 2017 sobre 2016, com destaque para lojas de departamento, eletrodomésticos e eletrônicos (14%), lojas de móveis e decorações (10,3%), concessionárias de veículos (8,3%), autopeças e acessórios (7,2%), supermercados (3,8%), farmácias e perfumarias (0,7%) e lojas de material de construção (0,7%).

Por outro lado, os segmentos outros tipos de comércio varejista e lojas de vestuário, tecidos e calçadosregistraram contrações de 5% e 1,3%, respectivamente no ano passado. O primeiro foi fortemente impactado pelas retrações de vendas de combustíveis, que sofreram reajustes de preços.

“Temos que pensar que a base para comparação é muito fraca. Mas todos os indicadores apontam para uma retomada e este índice de 7% é muito positivo”, diz o presidente da Associação Comercial Empresarial de Jundiaí (ACE Jundiaí). “Ainda temos um longo caminho para percorrer para retomar o que conquistamos no passado e a Associação tem um papel essencial neste sentido,  estimulando o fomento ao comércio.”

Regiões

Em 2017, o comércio cresceu em quase a totalidade das regiões paulistas. As maiores taxas de expansão foram observadas nas seguintes regiões: Jundiaí (7,1%); Ribeirão Preto, Baixa Mogiana e Franca (6,1%),Sorocaba e Vale do Paranapanema (6%) e Vale do Paraíba (5,9%). As únicas regiões que caíram foram Presidente Prudente (-0,5%) e Metropolitana Oeste/Osasco (-1%).